top of page
  • Mensurar Júnior

Compressão Hatanaka e seu processamento

História e descrição


Criada pelo pesquisador Yuki Hatanaka, pesquisador da GSI, Autoridade de Informação Geoespacial do Japão, é uma lista de código que visa resumir e juntar as milhares de informações obtidas em um rastreio por receptor GNSS, assim diminuiria o tamanho dos arquivos visto que com o início das novas constelações as observações ficavam cada vez maiores.

Este código criado pelo Hatanaka foi adotado aqui no Brasil, pelo IBGE, como padrão e por isso a compressão recebeu o nome de seu criador como homenagem.


Após a realização de um campo ou projeto da área da topografia, nos dias atuais, as mensurações devem, em sua maioria, conter coordenadas georreferenciadas para maior segurança. Para isso, em casos recorrentes, usa-se RBMC como referência de qualidade e ajustamento para as informações coletadas em campo.

Não basta apenas inserir os dados brutos e prosseguir com o projeto. É necessário um tratamento nos dados obtidos, normalmente feito por um software da área de geodésia para correções, ajustes e análise de tolerâncias, através de diversos métodos estatísticos.

Sendo assim, o apoio das coordenadas obtidas pelas estações homologadas pelo IBGE é de suma importância, as conhecidas RBMCs, porém, há um pequeno detalhe que ocorre diariamente com quem lida com estes dados. Problema esse que surge ao baixar os dados de uma estação desejada, sabendo que os arquivos necessários possuem as extensões “.g”, “.n” e “.o” para que o processamento seja possível, dando prosseguimento ao projeto.

Mas nem sempre será possível ter estes três arquivos disponíveis ao baixar os dados da RBMC. E como proceder? Como resolver esse obstáculo? É neste momento que surge a compressão Hatanaka e sua importância. A compressão Hatanaka se mostra através do arquivo “.d”.

Após o download e extração dos arquivos da RBMC nota-se os seguintes dados de observação:


Não sabe como realizar o download de dados RBMC? Leia nosso blog que disserta sobre este assunto e entenda melhor.

Ao analisar estes dados, observa-se a ausência do arquivo “.22o” que é dado de maior importância para o processamento. Uma das saídas é baixar o descompressor Hatanaka no dado “.22d” para que surja o arquivo “.22o”, que é o que se deseja obter.


Primeiro passo: No link abaixo procure pelo nome RNXCMP e também clique no link o qual aparece o sistema operacional de seu computador ou notebook.


Link para download do descompressor Hatanaka: https://terras.gsi.go.jp/ja/crx2rnx.html


Os mais indicados para Windows são:


1 - RNXCMP_4.1.0_Windows_mingw_64bit.zip

2 - RNXCMP_4.1.0_Windows_mingw_32bit.zip


Obs: analise se sua máquina é de 64 bit ou de 32 bit, assim, escolha a que se encaixe melhor.


Segundo passo: Após baixar, veja que o arquivo vem em formato “.zip” e precisa ser descompactado. Descompacte o arquivo e irá se deparar com esta cena:

Terceiro passo: Entre na pasta “bin” e busque o “.exe” chamado CRX2RNX, na imagem abaixo é o primeiro arquivo e contém 72 kb de tamanho.


Quarto passo: Copie este “.exe” e cole naquela pasta dos dados que baixou da RBMC e ficará desta forma:



Quinto passo: Com todos os componentes já em mãos, selecione o CRX2RNX e arraste-o para cima do dado “.22d”, ou o inverso, que é o arquivo de compressão Hatanaka e num passe de mágica irá abrir uma tela de processamento por um período de no máximo dois segundos e irá sumir. Após esta tela sumir, note o surgimento do arquivo de observação “.22o”.


RBMC - Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo dos Sistemas GNSS

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.



Redator: Hugo Barros


Revisão: Setor de Projetos




73 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page