• Mensurar Júnior

A Aplicação da Cartografia no Turismo

É indiscutível que a cartografia está presente em vários âmbitos e, em alguns momentos, a utilizamos e nem percebemos o quanto o seu uso é importante para nos auxiliar na tomada de decisões. A cartografia pode ser observada na educação, em nossa economia e até mesmo no nosso lazer.

Um exemplo da cartografia no lazer é quando você deseja conhecer outro estado, ou até mesmo um ponto turístico na cidade que você mora. Você utiliza um mapa (ou GPS) para te auxiliar na chegada do local, e quando está nele, utiliza das placas (presentes em vários mapas como símbolos cartográficos) para encontrar restaurantes, bancos, praças públicas entre outros lugares para se localizar. Logo, esse é o enfoque deste artigo, a aplicação da cartografia no auxílio do turismo.

Antes de falar como a cartografia é utilizada no turismo, vamos explicar o que é essa tal cartografia. A Cartografia é um meio de comunicação gráfica, que exige um mínimo de conhecimento por parte daqueles que a utilizam. A linguagem cartográfica é praticamente universal, logo, um usuário com uma boa base de conhecimentos, é capaz de traduzir qualquer documento cartográfico, independente da forma que ele esteja sendo apresentado. Ao utilizar cartografia como um sistema de comunicação, pode-se verificar que a fonte de informações é o mundo real, que é codificado por meio de símbolos nos mapas.

Agora sim, bora falar sobre o tema desse artigo. A cartografia e o turismo se unem na denominada Cartografia Turística, no que diz respeito a apresentação da informação turística sob a forma gráfica. O resultado dessa união é um documento essencial para qualquer área do turismo, uma vez que possibilitará ao turista uma visão geral do espaço geográfico com as informações que serão importantes para o planejamento das suas atividades e a coordenação do seu tempo.

Figura 1: Simbologia cartográfica na cachoeira

A informação turística é essencialmente geográfica e pode ser trabalhada em duas vertentes: uma para o planejamento turístico, visando fornecer subsídios para o desenvolvimento turístico de uma localidade e outra para a orientação de turistas em visita a um sítio turístico.

E por falar em informação turística geográfica, ela pode ser definida por qualquer informação física, social, biológica, econômica, ecológica e ambiental, por exemplo, que possua a possibilidade de ser associada ou relacionada a um posicionamento. Ou seja, se uma determinada informação possuir uma localização espacial, vinculada a algum sistema de posicionamento (latitude e longitude, coordenadas UTM, ou qualquer sistema local), ela pode se caracterizar uma informação turística geográfica. Por exemplo, a tabela de preços da rede hoteleira de uma cidade, é uma informação turística, porém não geográfica. Já a localização de cada um dos hotéis é uma informação geográfica.

Uma informação geográfica possui três atributos básicos: o espacial, que se refere ao posicionamento, forma e relações geométricas entre as entidades espaciais; o descritivo, que são as características que definem a entidade geográfica ou os atributos que a qualificam; e a temporal, que se refere à época de ocorrência do fenômeno geográfico.

A localização é um atributo espacial de posicionamento. A descrição em relação à algum sistema de coordenadas, estabelece o posicionamento da informação. Ou seja, é o georreferenciamento da informação.

Todo mapa passa por uma transformação cartográfica, um conjunto de processos que transforma a informação geográfica em informação cartográfica. Sendo assim, uma informação cartográfica é uma informação geográfica capaz de ser representada em um mapa, após ter sido submetida ao processo de transformações.

Existem basicamente três tipos de transformações: as geométricas, que posicionam os sistemas de coordenadas, bem como relacionam o tamanho do mapa com a superfície terrestre; as projetivas, que transformam o mundo real tridimensional para uma representação bidimensional plana; e as cognitivas, que tratam da modelagem do mundo real pelo cartógrafo, na qual são comuns transformações de generalização (seleção, classificação, simplificação) e a simbolização, que trata o aspecto da representação da informação cartográfica.

Figura 2: Processo de transformação até o mapa completo

Como nada é perfeito, mapas turísticos podem conter alguns problemas. Um dos problemas que ocorrem nos mapas turísticos, está no abuso das deformações que os mapas apresentam, fazendo com que os usuários percam a noção de espaço e, consequentemente, escala e localização.

Para a informação cartográfica turística, a percepção de posicionamento e de escala é essencial. O usuário deve ser capaz de se localizar na representação, assim como ter noção da distância que deverá percorrer para atingir seus objetivos.

Figura 3: Mapa turístico do Rio de Janeiro, sem escala e com muitas distorções sobre as distâncias

Outro problema a ser citado é a falta de elementos no mapa turístico. Os turistas se localizam a partir da comparação entre a representação cartográfica e o mundo real. A inexistência de elementos, que permitam estabelecer esta comparação, pode fazer com que o usuário não entenda o mapa. Isso pode fazer com que o usuário crie uma impressão ruim em relação a outros serviços que esteja procurando no local.

Extra: Um jogo que ajuda a praticar a linguagem cartográfica no turismo é o Geoguessr. É um jogo bem divertido e interativo, cujo objetivo é descobrir em que local do mundo o usuário está a partir das características presentes na região em que ele se localiza no Street View.


Redator(a): Carlos Alexandre

Revisão: Setor de Projetos

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo